Projetos

Nono ano EAN

Escola Estadual de Ensino Médio Emílio Alves Nunes
Vale do Sol - RS

Daniele Inês Doege Einloft

  • Eveleen Eduarda de Oliveira Armani
  • Diogo Roberto Klein

Escassez hídrica
No dia 11 de março foram plantadas amostras de milho e feijão em potes de garrafa pet todas do mesmo tamanho e contendo a mesma quantidade de terra, as amostras foram regadas uma primeira vez igualmente no mesmo dia do plantio, elas foram colocadas no laboratório de ciências da escola próximo a uma janela onde receberiam luz indireta do sol.
O objetivo era observar o andamento do crescimento das amostras, que foram divididas em dois grupos, as que receberiam água e as que não.
No dia 21 de março foi feita segunda rega somente do grupo o A com sete amostras de milho e feijão, o grupo B também com sete amostras de milho e feijão não recebeu água. Observou-se que ambas as amostras haviam germinado.
No dia 16 de abril foi feita uma terceira rega para o grupo A e novamente o grupo B ficou sem receber água. Notou-se que as plantas do grupo A se desenvolviam bem e a terra dos potes estava bem úmida e fofinha. Já as plantas do grupo B continuavam a se desenvolver, mas a terra dos potes estava seca e começando a se esfarelar.
No dia 06 de maio foi realizada a ultima etapa da nossa experiência, colocamos lado a lado as amostras A e B, nós alunos tivemos que observar as diferenças entre as duas amostras e interpretar os dados.
A amostra A continuava a se desenvolver muito bem a terra do pote permanecia úmida e bem fofinha a planta desenvolveu bem suas raízes e estava saudável. A amostra B apresentava que as plantas começaram a dar sinal que morreriam, a terra dos potes estava completamente seca e quebradiça com a aparência de uma terra sem nenhum nutrientes.
A época em que as amostras foram plantadas influenciou no seu desenvolvimento, março não é mais um mês tão quente, o que fez com que a água não evaporasse deixando a amostra B sem uma fonte de água. Outro fator que contribuiu para a lenta degradação da amostra B foi que a cidade de Herveiras- RS passou a ter uma ocorrência maior de chuvas o que contribuiu para a umidade do ar que ajudou as amostras.

Utilizamos cookies e outras tecnologias para lhe oferecer uma experiência de navegação melhor, analisar o tráfego do site e personalizar o conteúdo, de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.